03 e 07 de Junho – Duo Kanji

Duo Kanji
Neste concerto o Duo Kanji apresenta peças de irmãos para irmãos. No programa estão duos de Bernhard e Andreas Romberg, Max e Anton Bohrer e Leonard/Servais. Escritos para serem tocados nos salões europeus, com caráter virtuoso, esses duos terão sua primeira audiência no Brasil. Os irmãos do Duo Kanji tocam em instrumentos feitos pelos irmãos Nicoló e Gennaro Gagliano no século XVIII.


Alexandre Kanji – violinista

Viveu 20 anos na Holanda onde estudou no Conservatório Real de Haia e na Escola Superior
de Musica e Dança CODARTS em Rotterdam com Hans Scheepers, Vera Beths, Andras Czifra e Jean‐Jacques Kantorov. Além de ter estudado violino clássico seu interesse por outras técnicas e estilos o levou a ter máster‐classes em violino barroco com Sigiswald Kuijken, Anner Bijlsma e Hidemi Suzuki em Bach, Mozart, Beethoven e Schubert.

Como primeiro violinista atua em vários conjuntos de música de câmara como Ensemble Four Seasons, Escher Pianoquartet (instrumentos autênticos), e com seus irmãos Isabel e Alberto forma o Trio Kanji. Tem feito inúmeras apresentações como camerista, sendo anualmente convidado para prestigiosos festivais de música de câmara de Liza Ferschtman e Eva Stegeman atuando como violinista e professor. Alexandre tocou de 2003 a 2011 nos primeiros violinos da Nederlands Philharmonisch Orkest, a orquestra da Ópera Holandesa. Durante 10 anos foi um dos spallas da Orquestra Bach de Rotterdam, tocando a maioria das cantatas de J. S. Bach. Também tocou como spalla da Promenade Orkest e da Orchestra Particollare fazendo apresentações para a Radio e Televisão holandesas. Foi solista com a Orquestra de Câmara da Filarmônica de Haia e é chamado regularmente como tutor pela Amsterdams Sinfonietta, Holland Symfonia e o Devich Piano Trio. 
Como músico e ator Alexandre fez parte de produções teatrais de “Amadeus” de P. Schaeffer (2005) com Jeroen Krabbe, “A Sonata Kreutzer” de Tolstoi (2007) com Herman Bolten e “O Porteiro da Noite” (1994) com Tom Hoffman.
Foi condecorado pela rainha da Holanda em 2002 e toca um violino Gennaro Gagliano de ca. 1750.


Alberto Kanji – cellista
É natural de São Paulo, e iniciou-se ao violoncelo aos doze anos com Gretchen Miller. Aos 15 anos foi premiado no concurso “Jovens Solistas Brasileiros”. Tomou parte em vários festivais de música, onde teve master classes com António Meneses, Watson Clis, Alceu Reis, entre outros. Formou-se bacharel na Unicamp com António Del’Claro. Foi monitor da Orquestra Experimental de Repertório por três anos, onde também atuou como solista. 
Em 2002 integrou a nova OSESP. No mesmo ano, mudou-se para a Holanda, com a ajuda da Fundação Vitae, onde completou em 2007 o diploma de solista no Conservatório de Amsterdam sob orientação de Gregor Horsch (1o violoncelista da Orquestra Real do Concertgebouw de Amsterdam) e Viola de Hoog, onde também teve aulas de violoncelo barroco com Jaap ter Linden e Wouter Möller, assim como master classes e cursos orquestrais com Anner Byslma, Gustav Leonhardt, Frans Brüggen, Lucy van Dael e ReinbertdeLeeuw. 
Durante seus estudos, ganhou um concurso interno do Conservatório de Amsterdam para tocar num violoncelo “Villaume”, instrumento com o qual permaneceu até 2007. De 2009 a 2011 participou como professor de violoncelo barroco da Oficina de Música de Curitiba. Desde 2008 é violoncelista convidado da orquestra francesa Le Cercle de l’Harmonie. Em 2009 gravou o CD “Brillante” com Antonio Meneses e Rosana Lanzelotte, com quem se apresentou também numa série de concertos. Seu interesse pela música contemporânea rendeu-lhe algumas dedicações de peças de compositores como Willy Corrêa de Oliveira e Marcus Siqueira.

Alberto toca um violoncelo Nicoló Gagliano, de 1732.

Programa:
ANDREAS E BERNHARD ROMBERG Duo Concertante Op. 2 No. 3 em Sol menorAllegroAndante com variazioniAllegretto

ANTON E MAXIMILIAN BOHRERDuo Concertante No. 2 em Sol Maior (dedicado à sua excelência o Barão de Strogonoff)Allegro non troppoAdagioAndante quasi Allegretto (tema russo)
BERNHARD ROMBERG3 Duos sobre temas de W.A. Mozart
H. LÉONARD E F. SERVAIS4o. Grande Duo de Concerto em Mi bemol Maiorsobre motivos da ópera L ́Africaine de MeyerbeerModerato-Andante com moto-Andante moderatoTema com variações-Andante cantabile Allegro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s